Núcleo de Estudos de Gênero, Relações Étnico-Raciais, Direitos Humanos e Juventudes - NEGEDJ

O NEGEDJ acredita na necessidade de igualdade de direitos, deveres e oportunidades!
Núcleo de Estudos de Gênero, Relações Étnico-Raciais, Direitos Humanos e Juventudes - NEGEDJ

Apresentação

O NEGEDJ é o órgão, dentro da Faculdade IENH, responsável por pensar, planejar e executar ações que buscam discutir e debater os diversos assuntos relacionados ao ensino da História e Cultura Africana, Afro-brasileira e indígena, bem como dos Direitos Humanos. Levando em conta que a defesa dos Direitos Humanos combate ainda qualquer tipo de discriminação e violência, seja de ordem étnico-racial, gênero, classe, idade ou por pessoas com necessidades especiais, o NEGEDJ incluir temas sobre as juventudes, tanto do seu potencial, quanto da fragilidades diante de uma série de riscos e desafios.


O NEGEDJ acredita, portanto, na necessidade de igualdade de direitos, deveres e oportunidades!

“Se o país não for pra cada um. Pode estar certo. Não vai ser pra nenhum” ( Samuel Rosa)


Objetivos

1) Promover a iniciação científica com foco na Violência, Gênero, Relações Étnico-raciais, Direitos Humanos e Juventudes.

2) Criar e ministrar uma disciplina para todos os cursos ( optativa) que dê conta dos aspectos relativos à História e Cultura Africana, Afrobrasileira e indígenas, bem como dos estudos e promoção da igualdade de Gênero e Direitos Humanos.

3) Coordenar e gerir o Comitê de Direitos Humanos, que fará parte do Núcleo. De modo a buscar articular-se com as esferas que já existem no município e região, de modo a manter uma relação de troca e apoio fortalecendo a rede municipal.

4) Organizar um setor de Ouvidoria para possíveis casos de violência e/ou assédio moral, sexual ou racial na comunidade acadêmica, pensando os encaminhamentos dessas situações com o jurídico da Instituição. Criar situações educativas em que as vítimas recebam apoio requerido para superar o sofrimento e o agressores, orientação para que compreendam a dimensão do que praticam e ambos, educação para o reconhecimento, valorização e respeito mútuo, conforme parecer CNE/CP nº 8/2012 resolução CNE/CP n° 01/2012.

5) Promover cartilhas e campanhas pela Igualdade de Gênero, Étnico-racial e Direitos Humanos, bem como, pelo respeito e promoção das juventudes.

6) Indicar Bibliografia relativa à história e cultura afro-brasileira e africana, às relações étnico-raciais, aos problemas desencadeados pelo racismo e por outras discriminações, e à pedagogia anti-racista e promotora das juventudes nos programas de concursos públicos para admissão de professores.

7) Planejar, coordenar e realizar ações de sensibilização que envolvam as diferentes formas de expressão artística (como peças teatrais, exposições fotográficas, oficinas, instalações, visitas ao museu, etc) com periodicidade mínima de uma vez por semestre.

8) Coordenar a realização de palestras junto a Escolas de Ensino Médio para conscientização e divulgação da Faculdade IENH.

9) Funcionar como espaço de promoção do debate e da diversidade em termos acadêmicos e político-sociais.

10) Promover ações de integração com IES do Brasil e do Exterior no que diz respeito a estes temas.

11) Assessorar os docentes da Educação Básica do município e região na construção de disciplinas e currículos que contemplem a promoção da Igualdade de gênero, questões de identidade de gênero, étnico-racial e direitos humanos.

12) Assessorar o poder público municipal em ações relativas ao âmbito das promovidas pelo NEGEDJ.

13) Realizar ações de integração com a comunidade, em especial, aqueles setores engajados na luta pela promoção dos temas de igualdade de gênero, combate ao racismo, Juventudes, Direitos Humanos e História e culturas Afro-brasileiras e indígenas. Estabelecer relação especial com o CONJUV ( Conselho Municipal da Juventude) e demais Conselho Municipais.

14) Participar de momentos institucionais de conscientização e esclarecimento sobre os direitos humanos com discentes, docentes e funcionários.

15) Promover formação continuada, como extensão universitária, para professores, funcionários e comunidade sobre cultura e história africana, afro-brasileira e indígena, promoção da igualdade de gênero, combate ao racismo, promoção das juventudes e Direitos Humanos.

16) Promover em todos os momentos dos processos aqui descritos a participação ativa dos acadêmicos.